Nuno Eiró estará muito em breve nas manhãs da TVI  integrando a equipa do Diário da Manhã, embora os detalhes ainda não sejam conhecidos. A novidade foi dada esta manhã durante o programa 'Dois às Dez'. Relembre-se que o apresentador nos últimos quatro anos esteve na CMTV.

Após o programa, o apresentador seguiu para uma conferência de imprensa nas instalações da estação. Cristina Ferreira juntou-se ao amigo e apresentador para falar desta nova aposta.

A diretora de entretenimento e ficção  começou por referir que Nuno Eiró foi das primeiras pessoas em que a direção de entretenimento do canal começou a pensar, não perdendo tempo em marcar uma reunião com o comunicador. "O encontro aconteceu há pouco tempo, há dois meses. Desde que assumi a direção estabeleci logo o contacto para ver como o Nuno estava".

Cristina Ferreira notou que esta era uma parceria que desejava, palavras com os quais Eiró concordou, até porque o projeto que lhe foi proposto, num formato inovador de infotainment nas manhãs, era exatamente o que desejava. "Alinhou-se aqui uma conjetura naquilo que queria fazer e no que me deram para fazer. Pedi, por isso não há desculpas", afirma.

"O Nuno tem um ADN TVI. Ouvi durante muito tempo que era um rosto TVI e que era uma pena não estar num canal generalista. Quando regressei senti que iria ter um espaço onde faria toda a diferença. É esta versatilidade do Nuno que permite hoje estar aqui e depois estar noutro lado", defendeu Cristina.

Enquanto não chega às manhãs, Eiró regressará já no domingo como "cabeça de cartaz", brincou Cristina, acrescentando: "O regresso ao 'Somos Portugal' é uma coisa que o deixa feliz, a ele e aos companheiros de trabalho".

Quanto ao programa das manhãs da TVI, o entrevistado disse que já teve a oportunidade de conhecer a equipa com quem vai trabalhar e que estão todos perfeitamente "alinhados" num objetivo.

Cristina aproveitou a deixa para defender que a TVI é uma estação de coragem, sobretudo porque nunca teve medo de "fundir" a Informação e o Entretenimento. "Somos a estação que nunca teve medo de juntar as duas direções, ninguém tem medo do ridículo, nem da brincadeira. Estamos a par lado a lado e é isso que vamos continuar a fazer neste formato".

A comunicadora não terminou sem deixar uma mensagem de coesão do canal em que todos têm a mesma importância, independentemente do lugar que ocupem. "A TVI não tem lugares marcados, todos têm possibilidade de trabalhar em antena sempre que percebemos formatos em que sejam válidos. Não há trabalhos maiores ou menores. Contamos com todos e todos são válidos para aquilo que entendemos ser estação".