Cristina Ferreira é uma das figuras publicas mais conhecidas de Portugal e nunca escondeu o sonho de estar ao comando de uma estação de televisão. Pelo sonho, trocou a estação de televisão onde trabalhou durante 17 anos pela sua concorrente direta e em menos de dois anos voltou para a TVI.

Esta troca por parte da apresentadora fez com que a mesma não cumprisse até ao fim o vínculo contratual que a ligava à SIC e como tal, a estação de Paço de Arcos moveu um processo em tribunal contra a apresentadora pedindo uma indeminização no valor de 20 milhões de euros.

A apresentadora da TVI já prepara a sua defesa em tribunal, pedindo que seja considerada a indeminização pedida por parte da SIC, dado que a ação que a sustenta não pode ser totalmente provada. Cristina Ferreira vai ainda mais longe garantindo que a cessação do contrato com a SIC, deveu-se ao facto da estação de televisão não ter cumprido com o que lhe haviam prometido.

Na sua defesa, Cristina Ferreira garante ter sido contratada para exercer funções de apresentadora, mas também de assessoria direta ao diretor de Programação e Entretenimento da SIC, bem como a sua participação ativa nas decisões estratégicas do canal, função e participação que nunca exerceu durante o tempo em que trabalhou para a SIC. A apresentadora alega que fez vários esforços para que esta situação se revertesse e até chegou a falar da mesma em almoços com Francisco Pedro Balsemão.

Segundo a revista TV Mais, os almoços entre a apresentadora e Francisco Pedro Balsemão serviam para muito mais do que Cristina Ferreira mostrar a sua insatisfação perante o incumprimento do contrato. A apresentadora tentou mostrar ter capacidade para ela própria comandar a direção do canal sozinha.

Entretanto, juntamente com a insatisfação da apresentadora por estar apenas na condução do ‘O Programa de Cistina’, a TVI fez uma proposta a Cristina Ferreira onde lhe daria oportunidade de exercer as funções que estavam no contrato com a SIC e que a mesma não lhe estava a permitir exercer, fazendo com que a apresentadora aceitasse de imediato o convite.

Uma fonte próxima do canal revelou que a atual diretora de entretenimento e ficção da TVI chegou a exercer as funções que garante não ter exercido, embora Daniel Oliveira não ter tido em conta algumas das suas ideias. “Ao contrário daquilo que diz, a Cristina exerceu as suas funções de consultora. Mas o Daniel não manifestava interesse em seguir o que sugeria.”, garante.

Quando a direção da SIC descobriu a 17 de Julho de 2020 a proposta da TVI, acabou por marcar uma reunião de última hora com a apresentadora com o intuito de lhe fazer uma contraproposta onde oferecia 5% das ações do Grupo Imprensa, um cargo na direção e um aumento do salario para 2 milhões de euros por ano. Esta proposta foi rejeitada pela apresentadora que tinha previsto deixar o canal uma semana depois aquando da sua entrada de férias, tal como fez com a estação de Queluz de Baixo em 2018.

A SIC pediu uma indeminização no valor de 20 milhões de euros a Cristina Ferreira por alegados danos relativos a proveitos relacionados com audiências, publicidade, patrocínios, chamadas de valor acrescentado que se perderiam com a saída da apresentadora da SIC. Contudo, Cristina Ferreira evidencia que a sua saída da SIC não afetou nenhuma receita do canal, uma vez que a estação de Paço de Arcos continuou “a emitir o seu programa (com outro nome e diferentes apresentadores) e nele e através dele continuou a realizar promoções, patrocínios, campanhas publicitarias, microespaços, IVR e outras análogas iniciativas de captação de receitas…”, garante a apresentadora.

A defesa da apresentadora vai mais longe e revela que os patrocinadores e anunciantes da era de Cristina Ferreira na SIC continuaram com os seus contratos após a sua saída e que o programa das manhãs do canal continua a ser líder de audiências mesmo sem si na sua condução. Assim sendo, a jovem apresentadora da malveira sugere pagar uma indeminização no valor de 222.468,99 euros, correspondente ao valor total do número de meses até ao fim do contrato.

Fonte: TV Mais