Felisbela Dias, mãe de Sara Barradas, já foi condenada a sete anos de prisão por ter burlado várias pessoas, entre 2014 e 2017, mas continuam a surgir novos pormenores sobre os crimes praticados.

O companheiro de Felisbela, João de Almeida, que também foi condenado a seis anos de prisão é meio irmão de Bruno Almeida, filho de Io Appolloni.

Em entrevista à TV 7 Dias a atriz garante que João burlou o meio irmão, mas afirma nunca o ter sabido pela boca do filho. A primeira vez foi Maria João Abreu quem lhe falou dessa possibilidade e, mais tarde, um amigo seu revelou-lhe que Bruno "tinha sido lesado em 80 mil euros".

Io não compreende como é que um irmão é capaz de vigarizar outro e garante que ficou muito triste com a situação. "Fartei-me de chorar, porque evidentemente que o meu filho Bruno não tinha coragem de me contar essa história".

A atriz tenta ainda encontrar uma explicação para o envolvimento de João de Almeida nas burlas. "Os homens quando são fracos deixam-se manipular pelas mulheres. Esta Felisbela já era vigarista, porque já tinha tido um problema com a justiça. O João, se calhar, ainda por cima têm uma filha em comum, é natural que se deixasse manipular pela mulher. Não acredito que o João seja uma pessoa malformada. Agora, não o desculpo de maneira nenhuma", garante.

Sara Barradas e a mãe Felisbela Lopes. Imagem: Holofote

No entanto, Io Appolloni acaba por também criticar Sara Barradas por defender a mãe. "Quem tem uma formação ética e moral forte, tendo uma mãe assim não a pode defender porque é a mãe".

A participante do programa "Amigos Improváveis" afirma não acreditar que também Sara e José Raposo tenham sido lesados em 13 mil euros. "É mentira. Então como pode defender a mãe?".

Io revela ainda que o filho não vai desistir de tentar recuperar o seu dinheiro, mas ela não tem esperanças que isso aconteça. "O meu filho diz-me que lhe vão devolver o dinheiro todo, nem que sejam 100 euros por mês. Escusado será dizer que o dinheiro nunca mais o vai ver. Ou está em nome da Íris [filha dos arguidos] e ninguém pode mexer, ou numa offshore, no estrangeiro. Eles não disseram onde estava o dinheiro.", afirma.

                                                                                                                 Fonte: TV7Dias