José Carlos Pereira falou sobre a vida de vícios que deixou para trás. A conversa sobre o tema aconteceu no programa "Goucha", da TVI.

"É um ciclo vicioso. Estamos bem durante um mês e qual é a prenda que me vou dar? Fazer a mesma coisa outra vez. É completamente ridículo. A recompensa que nos vamos dar é cometer o erro outra vez. Isto não existe", lamenta ao relembrar-se daquela altura. As adições ao álcool e às drogas levaram o ator a uma das fases mais negras da sua vida.

José Carlos Pereira refere que a comunicação social também contribuiu para que o também médico "batesse no fundo". "Quando já estás arrasado, ainda te estão a espezinhar por cima. Aí, cheguei quase a ter vontade de desistir, não te vou mentir. Houve alturas que tive vontade de abandonar tudo. Não de terminar a vida. Apeteceu-me desistir de mim próprio", explica.

O processo de recuperação foi como se aprendesse a "voltar a andar", segundo o ator. José Carlos Pereira entende que as dificuldades pelos quais passou tiveram bastante impacto nos portugueses por ser uma figura pública. "Lembro-me perfeitamente de sair do tratamento e vir para a rua e pensar assim: toda a gente deve estar a olhar para mim a pensar isto. É como se fosse a morte de um ente querido, é um peso. Tens de te reinventar e provar muito mais do que as outras pessoas".

Por último, José Carlos Pereira deixou um recado para os jovens que passam por problemas de dependência de substâncias psicoativas. "Quando acham que têm um problema, já vão tarde demais porque já lá está. Não menosprezem o poder do álcool e das drogas. A parte do sonho do elefante cor-de-rosa acaba rápido. Tem consequências muito mais nefastas do que aquilo que se possa pensar", avisa.