A diretora-adjunta do Público, Ana Sá Lopes, foi condenada a pagar 25 mil euros a Manuel Maria Carrilho devido a dois artigos escritos em 2017, um no semanário Sol e outro no I, jornal de que era então subdiretora.

Os artigos escritos pela jornalista tinham os títulos “Carrilho, um homem capaz de vender o próprio filho” e “Carrilho é um asco”. Apesar das peças terem pretendido basear-se em factos, a Justiça considerou que se tratava de falsidades por parte da jornalista, “que terá sempre atuado com inequívocas intenções persecutórias e difamatórias em relação a Carrilho”, escreveu a NOVA GENTE.

Inicialmente a jornalista foi condenada a pagar 16 mil euros, valor que subiu para os 25 mil euros após a jornalista recorrer ao Tribunal da Relação.

A NOVA GENTE tentou falar com Ana Sá Lopes, mas sem sucesso. Já Manuel Maria Carrilho mostrou-se satisfeito com o desfecho do processo.

“Vejo nesta condenação – apesar de tudo bastante leve, atendendo à gravidade das mentias e das calúnias produzidas – a condenação ‘simbólica’ de toda a matilha de jornalistas e comentadores que, sem a mais elementar preocupação com a verdade dos factos, sempre me atacaram com base em falsidades delirantes”