Marcantonio Del Carlo não esconde o desagrado que sente por ver a cultura tão debilitada por falta de valorização do setor. "Uma tremenda tristeza em constatar, uma vez mais, que a classe política e dirigente não entende que um país precisa de valorizar a sua cultura".

O ator considera que o projeto cultural devia ser revisto pelo Governo. "Quando nem a classe artística, nem o público em geral, estão satisfeitos com o que se faz com o dinheiro público em relação à cultura, é porque alguma coisa vai mesmo muito mal". E acrescenta ainda que é preciso "Pensar na cultura a sério".

Marcantonio viu a digressão da peça "Amado Monstro", que faz com João Didelet, ser adiada por conta das medidas de confinamento. Mas quanto ao regresso aos palcos mostra-se otimista.

"Felizmente, todas as salas que programaram a peça já reagendaram nas suas programações. E outras já nos contactaram para estarmos presentes nos seus palcos a partir de abril", garante.

Apesar de toda a incerteza quanto ao futuro o ator garante que vai buscar forças à sua filha Simone, que nasceu no verão do ano passado, fruto da relação com Iolanda Laranjeiro. "Sou capaz de enfrentar um exército inteiro quando olho para a minha linda Simone", afirma Marcantonio.

                                                                                                                     Fonte: Caras