Numa altura atípica para o setor da cultura, D. Duarte Pio decidiu condecorar várias personalidades portuguesas ligadas ao mundo das artes. Entre outros, estão figuras como António Pinto Basto (fadista), Joel Pina (guitarrista) e Ruy de Carvalho (ator).

Em declarações à Nova Gente, o artista revela sentir-se lisonjeado com o reconhecimento de uma longa carreira. «É uma coisa que honra muito um português receber essa distinção» afirma Ruy de Carvalho, referindo que de tudo fará para defender esse posto.

Sobre a época natalícia que passou, o ator partilha que olha para a data como a festa da família. «Tive Natais bastante isolado. Vivi em África. Depois tive Natais muito bons quando vivi na Covilhã». Porém, ao longo dos anos a magia foi-se perdendo, em grande parte devido à partida da sua companheira de vida, Ruth, com quem foi casado durante 63 anos.

O ator ainda não parou de trabalhar e depois de Nazaré, este já tem outro projeto em mãos. Chama-se 'A Ratoeira', é uma peça de teatro e está em cena no Teatro Armando Cortez. Recorde-se que o ator já fez esta peça há 60 anos atrás e afirma que o elenco era excecional.

«Agora tem outro elenco brilhante: Beatriz Barosa, Sofia de Portugal, Filipe Crawford, entre outros». Ruy não tem medo de ainda fazer teatro. «Sinto-me muito bem aqui, sou muito bem tratado...Tratam-me com muito carinho por ser velhinho» brinca.

O artista fala ainda sobre as dificuldades que alguns dos seus colegas artistas estão a passar. Lamenta que a situação chegasse a este ponto, pois são os artistas que "enchem a grande arca de tesouro" de um país, ou seja, a cultura. Para o ano que agora se inicia, Ruy de Carvalho deseja paz e compreensão no mundo, deixando de lado o sentimento de inveja.

Por fim, o veterano ator afirma querer tomar a vacina contra a Covid-19 assim que possível. «Eu não me importo nada. Não sou nada piegas. As pessoas que tiverem de tomar a vacina, devem toma-la». «Se me disserem que tenho de a levar, eu levo» garante Ruy de Carvalho.