Depois de revelada toda a verdade sobre o que Eduarda é capaz de fazer, Beatriz tem medo do que a mãe poderá fazer aos seus filhos.

Na herdade, mãe e filha cruzam-se e Eduarda tenta provocá-la, mas Beatriz reage na defensiva: "Desculpa, não estou para conversas. Só vim mesmo buscar umas coisas do Martim". Mas Eduarda faz-lhe um pedido: "Era mesmo sobre isso que queria falar contigo. Gostava de ver os meus netos. Podemos combinar?". Beatriz nem acredita no descaramento:"Podes esquecer, porque no que depender de mim nunca mais te aproximas dos meus filhos". A mãe faz-lhe um reparo: "Mas quais filhos? Só tens o Martim porque eu to dei, minha ingrata! Por isso, se pensas que te vou deixar pô-lo contra mim estás muito enganada!". Beatriz mantém-se firme e faz-lhe um aviso: "No que depender de mim, ele e a Teresa nem se vão lembrar de quem tu és. Não se vão lembrar que a avó é uma filha da mãe, uma criminosa...".

A matriarca releva o que ouve: "Estou-me nas tintas para o que admites. Já passámos essa fase". A mãe de Teresa finaliza a conversa, mas Eduarda não se deixa ficar: "Sua ridícula... És tão narizinho empinado e tão esperta para umas coisas mas tão tonta para outras. Como é que ainda não percebeste que o Diogo só se meteu contigo para chegar até mim? Achas mesmo que é amor?". Beatriz não se deixa atingir com as dúvidas maldosas que a mãe lhe quer colocar na cabeça: "Mas quem és tu para falar de amor?".

Eduarda, não satisfeita, ainda acusa a filha de ser uma mãe irresponsável: "Tu estás burra, cega por um criminoso. Por um tipo que pelos vistos foi criado por um assassino. É na casa dele que foste enfiar os teus filhos? Isso diz muito do tipo de mãe que és". Beatriz defende-se: "Sou o tipo de mãe que é capaz de tudo para os proteger. Por isso queres um conselho? Fica longe".

Fonte: Telenovelas